Deputados do círculo eleitoral de Viseu reúnem com as dez câmaras do norte do distrito

António Borges
10 de maio de 2012
Pelos vistos...há sempre uma primeira vez!
Deputados do círculo eleitoral de Viseu reúnem com as dez câmaras do norte do distrito.
Pelos vistos...há sempre uma primeira vez!
Deputados do círculo eleitoral de Viseu reúnem com as dez câmaras do norte do distrito.

Esta quinta-feira os principais representantes das dez câmaras que constituem a Associação de Municípios do Vale Douro Sul, de que sou também Presidente do Conselho Diretivo, estiveram em Lisboa.
Uma jornada dupla de trabalho.
De manhã uma reunião conjunta com os nove deputados do PSD, PS e do PP e à tarde com o Prof. Augusto Mateus.

Pelos visto foi a primeira vez que deputados, todos, e presidentes de câmaras se reuniram para discutirem a atualidade da região.
Todos intervieram, o que foi muito significativo e importante.
Dou-vos nota dos tópicos da minha intervenção:
- A região precisa de uma presença ativa dos seus representantes, sobretudo quando a outros níveis do relacionamento institucional não há respostas nem interlocutores disponíveis.
-A norte do distrito poderemos não ficar sem círculo eleitoral mas ficaremos sem eleitores se aos défices estruturais da região juntarmos decisões erradas, que destruam as lógicas de proximidade e de aproximação aos cidadãos. Esse também é um problema dos deputados.
- Precisamos de voz ou vozes, de nos fazermos ouvir, independentemente do que cada um possa defender. Daí que os deputados da AR tenham, no momento, uma importância acrescida no seio dos seus grupos parlamentares.
- O caso mais flagrante da Ministra da Justiça que se tem recusado a dialogar diretamente com os presidentes das câmaras.
- Há fortes ameaças no horizonte, a norte, com o novo mapa judiciário, a extinção de tribunais e do círculo judicial de Lamego, de freguesias, ou ainda o forte constrangimento à atividade das autarquias, particularmente com a lei dos compromissos.
- O Governo está a reprogramar o QREN. Não podemos deixar sair recursos comunitários para outras regiões com o pretexto da reprogramação.
- Lembrei que todos os dez municípios têm problemas de acessibilidades e que nessa reprogramação deveria haver vontade de resolver alguns desses problemas.
- São os casos do IC 26 (Lamego, Tarouca, Moimenta, Sernancelhe e Penedono); a ligação à cota alta, alternativa à EN 222, de S. João da Pesqueira, Tabuaço e Armamar, à A24,no nó de Valdigem, incluindo a ligação do nó de Barcos, em Tabuaço e ao Ic 26 em Moimenta da Beira; a ligação Cinfães-Marco; e a EN 222-2, Resende a Bigorne.
- Não entregaremos os pontos!...nem nos entregaremos aos pontos!

Estiveram presentes e colocaram um conjunto significativo de questões os Presidentes das Câmaras de Lamego, Sernancelhe, Moimenta da Beira, Tabuaço, Penedono, Armamar, a vice de Cinfães e o vereador Vítor Sobral de S. João da Pesqueira.
Ester Vargas, Teresa Santos, Arménio Santos, Pedro Alves, Hélder Amaral, José Junqueiro, Acácio Pinto, Elza Pais e João Carlos Figueiredo foram os deputados que marcaram presença, todos também com importantes intervenções.

A tarde foi passada com Augusto Mateus.
Estamos a preparar, na lógica da Estratégia Europeia 2020, o que pode ser um conjunto de propostas novas para o Douro Sul e discutir a metodologia do trabalho que vamos realizar em conjunto.
Vamos à procura de boas ideias. Encontrar os pontos que dão força e o que faz brilhar, o que pode dar futuro.
Falaremos disto mais e mais tarde.

António Borges

Lisboa, 10 de Maio de 2012

Adicionar comentário

Subscreva as Newsletters
Facebook